30 de junho de 2016

Resenha: O apanhador no campo de centeio - J. D. Salinger.

Título: O apanhador no campo de centeio.
Autor: J. D. Salinger
Editora do Autor
Páginas: 208



À espera no centeio (O Apanhador no Campo de Centeio na edição brasileira) narra um fim-de-semana na vida de Holden Caulfield, jovem de 16 anos vindo de uma família abastada de Nova York. Holden, estudante de um reputado internato para rapazes, volta para casa mais cedo no inverno depois de ter recebido más notas em quase todas as matérias e ter sido expulso. No regresso a casa, decide fazer um périplo adiando assim o confronto com a família. Holden vai refletindo sobre a sua curta vida, repassa sua peculiar visão de mundo e tenta definir alguma diretriz para seu futuro. Antes de enfrentar os pais, procura algumas pessoas importantes para si (um professor, uma antiga namorada, a sua irmãzinha) e tenta explicar-lhes a confusão que passa pela sua cabeça. Foi este livro que criou a cultura-jovem, pois na época em que foi escrito, a adolescência era apenas considerada uma passagem entre a juventude e a fase adulta, que não tinha importância. Mas esse livro mostrou o valor da adolescência, mostrando como os adolescentes pensam.
Oi gente, tudo bem?
O apanhador no campo de centeio, era uma das minhas metas literárias. Esperava mais do livro (principalmente no final rsrsrs), criei uma certa expectativa com relação a ele, afinal ele entrou para a lista dos cem melhores livros do século XX (caderno "Mais" da Folha de 1.999). O livro tem uma escrita simples, fácil interpretação, as vezes tem situações divertidas, outras depressivas e conflitantes

O Apanhador no Campo de Centeio narra a estória de um fim de semana de Holden Caulfield, um adolescente que está sempre em conflito com seu eu. Creio que grande parte dos adolescentes passam por uma crise interior assim. Aquela fase do "por que tenho que fazer isso?", "eu não me encaixo em lugar nenhum" "vou fugir e arrumar um emprego assim que o dinheiro acabar", "que importância tem a minha idade" e etc... Como "rebeldia" fuma, bebe, fala palavrões, sai a noite e tem aquela necessidade de mostrar ter mais idade do que realmente tem. 
- Bom, eu odeio a escola. Poxa, como detesto o troço - falei. - E não é só isso. É tudo. Detesto viver em Nova York e tudo. Táxis, ônibus da Avenida Madison, com os motoristas gritando sempre para a gente sair pela porta de trás, e ser apresentado a uns cretinos que chamam os Lunts de anjos, e subir e descer em elevadores quando a gente só quer sair, e os sujeitos ajustando as roupas da gente nas lojas, e as pessoas sempre... 
Se contar os "foda-se", escrever isso na parede, na carteira, no banco... se você nunca escreveu com certeza conheceu alguém ou conhece alguém que conheceu alguém que já pintou essas letras em algum lugar.
Mesmo que a gente vivesse um milhão de anos, não conseguiria apagar nem a metade dos "Foda-se" escritos pelo mundo. É impossível.
Holden entra no típico "eu não me encaixo em lugar nenhum", realmente isso pode afetar não só um adolescente, mas qualquer pessoa. O fato de não se encaixar na sociedade era um pouco complicado antigamente, mas hoje, tenho comigo que é muito, mais muito mais difícil, pois os padrões estão cada vez mais alto e quando você não consegue acompanhar isso as pessoas meio que te deixam de lado. Então, você começa uma busca, procura uma turma ou se isola e não se importa e inúmeras vezes se deprime. Os casos de depressão na adolescência tem aumentado muito, assim como o suicídio. Lógico que não se fala disso o tempo todo, as vezes a família nem sabe o que está acontecendo como na narrativa, os pais do Holden não sabem o que ele está enfrentando. Quantos pais hoje em dia não sabem o que seus filhos estão passando, podemos tê-los em casa trancados no quarto ou em internatos sem saber o que realmente está acontecendo, isso é muito comum porém não é normal.  

... É exatamente o meu problema. Não encontro praticamente nada em nada. Estou mal de vida. Estou péssimo.
 ... Quem é que quer flores depois de morto? Ninguém.
Eu também não entendo essa das flores, levar flores no cemitério. Quando criança nos finais de semana íamos com minha avó lavar o túmulo da minha bisavó, deve ser por isso que o perfume de algumas flores me deixam triste, acho que devemos ser gratos pelo tempo que passamos juntos e as vezes pensava que minha bisavó ficaria feliz se tivesse recebido essas flores em vida. Olha eu me expondo rsrsrs. 

Eu super indico a leitura do livro, antes dessa obra de J. D. Salinger o que o jovem pensava ou deixava de pensar era irrelevante para os adultos, sendo a adolescência uma parte irritante da vida, não tínhamos essa "cultura jovem" que se temos hoje. 
Curiosidades: - Quando perguntaram a Mark Chapman por que ele matara John Lennon, o perturado-mental-ou-pau-mandado-da-CIA disse: "Leia O Apanhador no Campo de Centeio e você descobrirá porque o fiz. Esse livro é meu argumento". - Scream & Yell
Se você estiver em conflito não se culpe, e não desista.
Fico por aqui, kiss!


CLASSIFICAÇÃO DNA

Comente com o Facebook:

Postar um comentário

Olá Chuchu's *-*
Nós do DNA agradecemos sua visita, saiba que sua presença é muito importante e seu comentário deixa três aspirantes a blogueira feliz :D
Então comente, opine, critique e sinta-se em casa, pois tudo aqui é feito com muito amor para você!
Se quiser fazer contato por e-mail, utilize a aba: Contato.

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...  
 
© Dna Bookz - 2015. Todos os direitos reservados.
Layout criado por: Maidy. Modificado por: Edna Rodrigues.
Tecnologia do Blogger.
imagem-logo