19 de novembro de 2015

Resenha: Criador e Criatura - Luigi RicciardiI

 Título: Criador e criatura
Autor: Luigi RicciardiI
Editora: Kazuá
Ano: 2015
Pág: 132


“Bem-vindo ao deserto do real” é a frase pronunciada por Morpheus para recepcionar Neo no mundo “real” no filme Matrix. Na célebre trilogia de ficção científica, as pessoas conectadas à Matrix jamais se perguntam se a realidade que as cerca é a vida real. Em um paralelo com o filme, uma das personagens do novo livro de Luigi Ricciardi se dá conta de que a vida que leva é bem real, mas que fora criada por um escritor. Em outro conto, um escritor recebe a incumbência de ser a própria morte. Mas na Literatura o escritor já não tinha esse poder/fado? É nesse tom que vem Criador e Criatura: desafiando os limites da ficção, abrindo um buraco em suas paredes para ver o que há além, onde o escritor brinca de ser Deus.

 


meu criador sabe o quanto é difícil escrever sobre obras assim! O intuito dessa resenha é apresentar pinceladas de alguns contos enquanto tento transmitir algumas sensações que tive ao lê-los. Já me desculpo se não curtirem o estilo ou não perceberem a intenção, aproveitando para me utilizar da última citação que antecede o índice desse livro, transcrevendo William P. Young: 

“Se você odiar esta história, desculpe, ela não foi escrita para você.”

Não, não odiei a história, mas ela também não foi escrita para mim. Ela foi escrita para a alma dos que criam mundos e submundos, dos que são pintores de letras em telas de papel. Ao deleite do leitor, as histórias abrem suas portas para esse universo da Literatura, um universo metalinguístico, surpreendente, chocante, que o autor intrincou com várias técnicas, com destaque para a francesa Mise En Abyme, a narrativa do abismo, que te caleidoscopa infinitamente.


O livro é dividido em 17 contos, o primeiro deles, Criador e Criatura, que dá nome à obra, traz o rompimento da criatura com o criador, com uma espécie de “ahá!” a personagem-criatura enfrenta o seu escritor-criador: 
“Você me criou, mas sou eu que vivo”, e sendo mulher, “saiu rebolando e dizendo com as ancas que esse era o fim”
O conto Eu, Literatura, envereda no modo literatura-marginal, num dos conflitos mais antitéticos da humanidade, na seara de vida e morte concluindo que 
“O homem que escreve se vai, mas o que ele escreveu fica”. 
Escrever é deixar um legado, é se fazer eterno; vive-se mesmo após a morte em suas palavras publicadas, até porque 
“no fundo, todos somos literatura, todos somo personagens inventados por nós mesmos”. 
É bem comum o tema da morte entre os escritores. No entanto, como já disse Bukowski, o pior não é a morte, mas sim o tipo de vida que se leva antes dela. Vale reflexões, portanto, sobre o que estamos fazendo por aqui, Agora e Na Hora de Nossa Morte, sendo o criador Divino e Letal com suas criações, determinante de seus destinos, esse conto faz do Criador a própria Morte, embora não tão galante quanto o Brad Pitt, que pena! 

E nem adianta gritar A Plenos Pulmões, porque ela é implacável, e esse conto... leiam e depois me contem! Parece loucura, mas é só verborrágico, ainda que não possa negar a impressão de que o escritor definitivamente só poderia compor isso fumando, afinal 
“desveredar estanquismos, despedaçar limbos e vomitar sempre aos domingos porque domingo é uma galinha com pescoço cortado” é para poucos!
Abrindo alas da insanidade para O Comedor de Barrigas, já alerto para as referências à Allan Poe e a Lovecraft. Estômago é necessário e cuide bem dele. Um conto de horror que soube inserir humor ao suspense, e ainda utilizou personagens e localidades reais da minha terra, como Alexandre Gaioto, o Jornal O Duque e a “praça do Peladão”, tudo isso dentro de um clima macabro e doentio.

Mas vamos acelerando porque não vai dar pra ficar até às Três Da Manhã No Jardim dos Condenados, pois o tempo não para e nem descansa, 
“o tempo vai passando esperando revolução. A pele se transformando, a pressão se acelerando e tudo pedindo produção, pois o mundo é para ontem.” 
E não vivemos sempre assim? Na prisão da rotina que te condena ao sistema de pressão social nascer, crescer, produzir, procriar e vamos logo que o próximo já vem vindo bem melhor que você?

Por isso nas Ficções Que (Provavelmente) Nunca Serão Escritas, Pois São Ruins, Ricciardi trata de se desmistificar, expondo uma coleção de ideias para outros contos e estórias das quais zomba e aproveita para zombar ainda de si mesmo. Mas de onde vem a genialidade senão da parcela de loucura do ser? E se Seminário de Ratos é um sucesso, porque não “As Aranhas Não Respeitosamente Cultas”?

E se for para traçarmos Paralelos, podemos rir ou gritar, podemos compreender ou tripudiar e, ainda solidarizar ou desdenhar. Mas vamos aplaudir tudo isso junto e repetidamente diferente. Que o digam Stephen Hawking, Scarlett Johanson, Elvis, Michael Jackson, Sérgio e Lorena; Michael Jordan, Marylin Monroe; Lula, Jack Marinos, Clarice Lispector, Dilma, Marcelo e Patrícia; Harry Potter, Gandalf, Capitu, Dan Brown e Taís; Seja grego, romano ou espartano, ou ainda de Marte, Vênus ou Saturno. Seja na Terra Média ou em Nárnia. Elvis não morreu. Aplausos!

Nota: Encontrei apenas 3 erros de grafia editorial. Como ainda não consegui definir se é mais que genial ou apenas muito insano - provavelmente as duas coisas - e, considerando que contos não são meu tipo de leitura favorito, minha nota é 3/5.

  Classificação DNA

Comente com o Facebook:

46 comentários:

  1. Para Tudo!

    Não sei se me convenço pelo livro ou se é pela resenha, tão peculiar.... tão sua....kkk (incluindo a nota kkkkk)

    Conto já não foi minha praia, hoje eu curto, principalmente quando sei que a semana será apertada e iriei ler pouco. Talvez eu consiga ler esta obra por ser conto, pois o gênero não é muito meu forte.

    Mas, porém, entretanto, todavia.....para variar ....ARRASOU....

    BEIJOS
    Paty (leiturasplus.blogspot.com)

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Hahahha adoro Deus comentários Paty!!!
      Acho que pode ser enriquecedor para vc viu?!
      Obrigada por prestigiar minhas resenhas 😘🌹

      Excluir
  2. Nossa! Parece ser bem... Intenso, pra não dizer louco. Parabéns pela resenha Cy! Não curto muito contos, ainda mais breves como estes. Mas fiquei interessada. Obrigada! Bjos

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Fantástico Vivi, exatamente isso: intenso! Alguns pontos são literatura pura dawuelas em que é preciso estudar, e nesse sentido é interessante porque além da diversão alia o conhecimento.
      Muito obrigada por disponibilizar um tempinho pra passar por aqui!
      Beijos 💋💋💋

      Excluir
  3. É preciso se desligar bastante da rotina para ler e acompanhar a narrativa deste escritor. Gosto de contos, e por este motivo, leria o livro. Parabéns pela resenha! Muito bem escrita. :-). bjs.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Obrigada Claudia, quando voce tiver um tempinho leia, acho que voce vai gostar sim!! beijos, muito obrigada por prestigiar a resenha !

      Excluir
  4. Menina, que resenha perfeita, eu que não gosto de contos e nem parece ser meu estilo de leitura me interessei. parabéns pela a resenha. Beijos

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Que bom Ana Karol !!! Obrigada por prestigiar o blog com seu comentário! Beijos

      Excluir
  5. Oie Cilene,

    tudo bom??

    Não conhecia o autor, nem o livro.
    Achei sua resenha muitooooooooo boaaa, me diverti lendo, mas achei o livro fora da casinha. huhuhuhu.
    como disse no começo da resenha, esse livro não foi feito para mim. Mas pode ser perfeito ou genial para um outro alguém!!

    =)

    Every Little Book

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Olá, muito feliz pelo seu comentário! beijos

      Excluir
  6. Oie!
    Parabéns pela sua resenha, ela ficou ótima!
    Confesso que não conhecia a obra, e não me vejo lendo esse livro. Como se trata de contos, que não gosto pois sempre parece que falta algo nas páginas, vou deixar o livro de lado. Mas para quem gosta, deve ser uma leitura bem interessante.
    Bjks!
    http://www.historias-semfim.com/

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Olá Carla, tudo bem? Pois é um livro intrigante, e os contos são curtinhos. Mas obrigada por sua participação aqui no blog, venha sempre! Muitos beijos!

      Excluir
  7. Olá, Cilene.
    Eu ainda não tinha lido nenhum resenha sua e adorei a forma como você escreve. Parabéns. Quanto ao livro, eu acho que não leria. Primeiro porque não sou muito fã de contos, depois por achar que o livro também não é para mim.

    Blog Prefácio

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Oi Sil, super feliz aqui por você ter gostado da resenha, ainda mais por nao ser seu tipo favorito de leitura. Se um dia você sentir que precisa se desafiar, leia esse livro hahaha
      beijosss venha sempre!

      Excluir
  8. Não leria o livro por se tratar de um livro de contos, não gosto do gênero, apesar de achar que esse Criador e Criatura deve ser bem interessante, ri aqui da personagem saindo rebolando e dizendo para o escritor que era o fim. Mas mesmo que eu não queria ler, adorei sua resenha, ficou bem legal e dinâmica!

    Beijo!

    Ju
    Entre Palcos e Livros

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Que bom Ju, fico muito feliz por você ter gostado da resenha e mais ainda por ter comentado! Ler já é desafiador, imagine escrever sobre? Eu estava apavorada hahaha

      Excluir
  9. Eu adoro contos, e apesar de o tema ser meio fora do comum, amei! Adoro ler coisas novas, e ter referência a Poe e Lovecraft só me anima mais ainda a querer ler a obra.
    Beijos
    www.apenasumvicio.com

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Olá Dessa, tudo bem?
      Primeiramente lhe agradeço pela visita aqui no DNABOOKZ e pelo seu comentário. Se tiver a oportunidade de ler Criador e Criatura não deixe de me contar o que achou, combinado?
      Muitos beijos

      Excluir
  10. Olá... tudo bem?
    Não curto livros de contos, mas devo confessar que estou querendo quebrar esse paradigma na minha vida, mas com leituras de contos da temática que gosto e contos soltos, não em conjuntos em livros... sinceramente fiquei completamente perdida tentando entender sobre o livro e seus contos.... percebi desde a capa do livro que ele não é pra mim e se eu não consegui entender a sua resenha, imagine a leitura do livro... nada contra é claro, mas eu sou péssima com esse tipo de escrita, por isso eu passo... Xero!!

    http://minhasescriturasdih.blogspot.com.br/

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. hahahahah rindo horrores com seu comentário Diana!
      Tudo bem contigo?
      Eu utilizei uma técnica que insere os títulos dos contos nos meus comentários, os títulos estão grifados, mas é só pra fazer uma graça. Posse te recomendar um livro de contos legal? São apenas 7 contos e tem resenha minha aqui também: O Vilarejo do autor Raphael Montes - segue o link: http://www.dnabookz.com/2015/10/resenha-o-vilarejo-raphael-montes.html

      Agradeço de coração o comentário, venha sempre! beijos

      Excluir
  11. Olá, eu nunca tinha ouvido falar do livro antes e confesso que ele não chamou minha atenção, talvez por não ser do gênero que estou acostumada a ler, por isso eu não leria no momento, mas quem sabe mais para frente eu dou uma chance!

    Beijos

    http://www.oteoremadaleitura.com/

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Oi Ketrin, tudo bem?
      Esse livro foi lançado mês passado no Festival Literário de Maringá! Acabou de sair do forno mesmo =)
      Se você resolver conhecê-lo gostaria de saber sua opinião, venha nos dizer!
      Seguindo sua página, adorei!
      Beijoss

      Excluir
  12. Oii, tudo bem?
    Eu gostei muito da sua resenha! Achei a premissa do livro um tanto quanto diferente, e apesar de não ser uma grande fã de contos, fiquei muito curiosa. Espero ter a oportunidade de o ler.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Olá Giovana, tudo bem?
      Obrigada pelo comentário, esse livro acabou de ser lançado, espero que consiga ter a oportunidade, se precisar entre em contato comigo!
      Beijos, venha sempre!

      Excluir
  13. Oie!
    Goste muito da premissa e como gosto de contos me interessei bastante pela leitura!
    Gostei muito da forma que você resenhou os contos!
    Abraços!
    Elaine M. Escovedo
    www.caminhandoentrelivros.com.br

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Oieee Elaine, tudo bem?
      Muito feliz pelo seu comentário!!! O Criador e Criatura acabou de ser lançado, espero que tenha a oportunidade de lê-lo e quando o fizer venha contar pra gente o que achou!!!
      Muitos beijos ;*

      Excluir
  14. Pois é, esse livro então, não foi feito pra mim! Não gosto de conto e o tema não me atraiu (os temas né).

    Por outro lado a tua escrita me encantou!!! Minha nossa....que escrita!!!! que gostoso de ler o que tu escreve!!!! só por isso não tem como não dizer que amei a resenha!!!!

    Parabéns! Não é sempre que encontramos um blog tão bem escrito!!!!

    bjs

    Eu Pratico Livroterapia


    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Poxa Denise, que coisa linda seu comentário! Obrigada de coração, eu estava apavorada escrevendo esse resenha porque o tema era espinhoso hahahah

      Venha sempre!
      beijos

      Excluir
  15. Oi Cilene, sua linda, tudo bem
    Achei sua resenha super divertida e criativa, adorei!!!! Infelizmente esse não é o meu gênero, eu não leio livros de contos. Mas independentemente disso, a sua reflexão inicial sobre os escritores e a morte me fez pensar e chamou a minha atenção. Para quem gosta, parece ser uma ótima dica.
    beijinhos.
    cila.
    http://cantinhoparaleitura.blogspot.com.br/

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Oi Cila ! beleza gata e tu???

      Que bom que se divertiu com a resenha, conte comigo! rs
      Então, não é uma leitura fácil, mas é rica!

      Sua página é uma graça, seja sempre bem vinda aqui no Dna !!!
      beijoss

      Excluir
  16. Olá, eu não conhecia o livro e bem... a capa já me deixou desmotivada, achei meio nada a ver, mas enfim, a sinopse até é interessante, o título também, mas acho que a premissa dele não me agradou tanto assim, talvez realmente o livro não tenha sido escrito pra mim :( não estou dizendo que pareça ser ruim, não parece, mas eu não consegui me envolver com ele a ponto de ficar interessada com a leitura.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Olá Beatriz, como vai?

      É uma leitura de literatura na pureza da essência, realmente não é fácil, tive até que pesquisar e estudar um pouquinho rsrs

      Obrigada por participar e prestigiar o Dna com sua opinião, venha sempre! Beijos

      Excluir
  17. Olá!
    Apesar de não ter gostado muito da capa, achei a sinopse interessante, mas não sei se é o tipo de leitura para o momento. Futuramente talvez...
    Gostei da maneira como você desenvolveu a resenha, deu para ter uma boa noção dos contos.
    Beijos.

    Li
    Literalizando Sonhos

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Oi Aline, tudo bem flor?
      Não gostou da capa? Eu achei a capa legal, tem tudo a ver com a criação da escrita... mas acho ótimo que você compartilhou a sua percepção.
      Venha sempre!
      Muitos beijos.

      Excluir
  18. Olá, pessoal. Primeiramente quero agradecer a Cilene por divulgar meu livro. Sim, os contos são diferentes de uma narrativa tradicional. Dá vida ao que nós chamamos de Noosfera (a esfera das coisas inventadas, conceitos e coisas abstratas. As narrativas podem parecer difíceis por esse ponto de vista, mas não são. Quanto à capa, ela tem tudo a ver com a obra: a mão do criador moldando a criatura e vice-versa. Essa é a chave discutida no livro!

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Oi Luiggi, tudo bem?
      Obrigada pelo comentário!
      Para o atual e principal público do Dna pode ser um pouco difícil a leitura sim, porém o objetivo é instigar, desafiar e crescer.
      Também gosto muito da capa porque ela é a fotografia da criação da escrita, tem tudo a ver mesmo.
      Um grande abraço.

      Excluir
  19. Oiee ^^
    Ainda não conhecia esse livro, mas, infelizmente, não me chamou a atenção. Também não sou muito fã de livros com contos, então, provavelmente, isso ajudaria a "não gostar" do livro *-* Gostei da capa :)
    MilkMilks
    http://shakedepalavras.blogspot.com.br

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Oi Dri, olha que legal, também gostei muito da capa, e jamais imaginei que ela seria tão polêmica hahaha
      Isso que é legal, ser surpreendido, por isso os comentários são tão importantes e bem-vindos, muito obrigada por dispor do seu tempo pra prestigiar o DNA, mil beijos!

      Excluir
  20. Olá!!

    Melhor que a obra é tua resenha né mulher!! Amei!!
    Eu curto esse tipo de crônica (conto, que seja) curto essas teorias loucas e amei de verdade absoluta a forma como montou a resenha! O autor deve ter pirado!!
    Parabéns mesmo, estou louca para ler um livro que jamais leria pela capa! rs

    Bjus
    Blog Fundo Falso

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Oi Andréa!!! tudo bom gata?

      Obrigada de coração, que bom que curtiu a resenha! O livro é recém lançado, acabou de sair no forno, se você gosta das teorias loucas acho que vai adorar o livro!
      Se tiver dificuldade em encontrar me da um grito! rs

      beijo, beijo, venha sempre!
      ps: adorei o nome do seu blog kkkk

      Excluir
  21. Olá,

    Achei a capa bem diferente. Mesmo sua resenha sendo totalmente inovadora, porém não senti o menor interesse em ler o livro. Acredito que por não ter o hábito de ler contos.

    Beijos,
    entreoculoselivros.blogspot.com

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Olá Thayenne tudo bem?
      Obrigada por prestigiar a resenha com seu comentário, fico muito feliz!!!
      Beijos.

      Excluir
  22. Olá!
    O jeito que tu resenha é muito legal, eu adorei!
    Não sou fã de contos mas achei esses bem peculiares e sua resenha me deixou curiosa, de verdade.
    Beijos, Tabatha
    http://aproveiteolivro.blogspot.com.br/

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Olá Thabata, como vai?
      Fico muito feliz por ter gostado da resenha, é só de ter te despertado o interesse pela obra já é mágico!
      Obrigada por participar com seu comentário, seja sempre bem-vinda aqui no Dnabookz;)
      Beijos

      Excluir
  23. Lendo sua resenha pensei nas historinhas da turma da mônica em que os personagens saem do enredo pra começar a conversar com o desenhista rsrs Não sei se leria porque fiquei traumatizada com livros sobre processo de criação de personagens depois que li A hora da estrela (e quis bater no personagem autor kkkk)
    Beijos!
    http://caindonacultura.com

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Ual Cássia! Confesso que a primeira coisa que pensei também foi nos quadrinhos da turma da Mônica! Hahaha o primeiro conto realmente tem bem esse prisma!
      Mas os outros nem tanto.
      Beijos, venha sempre!!

      Excluir

Olá Chuchu's *-*
Nós do DNA agradecemos sua visita, saiba que sua presença é muito importante e seu comentário deixa três aspirantes a blogueira feliz :D
Então comente, opine, critique e sinta-se em casa, pois tudo aqui é feito com muito amor para você!
Se quiser fazer contato por e-mail, utilize a aba: Contato.

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...  
 
© Dna Bookz - 2015. Todos os direitos reservados.
Layout criado por: Maidy. Modificado por: Edna Rodrigues.
Tecnologia do Blogger.
imagem-logo